Qualidade do ar paulista melhora durante a pandemia

Muito são os efeitos negativos, causados pela pandemia do novo coronavírus. Entretanto, embora o isolamento social tenha intensificado a produção de efluentes domésticos e aumentado o consumo de água, o fato das pessoas permanecerem em casa, tem trazido melhoras na qualidade do ar atmosférico.

De acordo com uma publicação do Portal G1, a menor quantidade de carros nas ruas de São Paulo, reduziu grande parte da emissão de monóxido de carbono, um dos gases responsáveis pela poluição atmosférica.

Os dados foram divulgados pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo, CETESB, e abordam resultados obtidos no ano passado, comparados com os deste ano, após a instauração da quarentena no estado.

“A quarentena estabelecida no Estado de São Paulo, em função do COVID-19, provocou uma diminuição das atividades e consequentemente da circulação de veículos, reduzindo as emissões atmosféricas geradas por este tipo de fonte na Região Metropolitana de São Paulo”, cita a companhia.

Ainda de acordo com a CETESB, com essa mudança, a qualidade do ar na capital paulista passou a ser considerada ‘boa’ para poluentes primários, emitidos diretamente por fontes poluidoras.

Além dessa melhora, o trânsito na cidade também apresentou uma queda, reduzindo os casos de engarrafamento e aumentando a circulação livre de veículos em alguns trechos.

As matérias completas do Portal G1 e da CETESB podem ser acompanhadas nos links:

G1: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/06/05/qualidade-do-ar-melhora-na-capital-paulista-e-poluicao-na-represa-billings-diminui-durante-a-quarentena.ghtml

CETESB: https://cetesb.sp.gov.br/blog/2020/03/30/cetesb-constata-diminuicao-da-poluicao-na-grande-sao-paulo-durante-a-quarentena-do-coronavirus/

A qualidade do ar em ambientes internos (sistemas de climatização)

Os sistemas de climatização têm como objetivo controlar, de forma simultânea, a umidade, temperatura, circulação e a renovação do ar em ambientes internos. Bastante comum em locais públicos e privados, como shoppings, restaurantes, hospitais, empresas, escritórios e outros, esse método visa tornar o clima mais agradável e apropriado para os usuários.

Para precaver o ambiente de possíveis problemas no ar climatizado, uma norma legislativa foi fundada no Brasil para manter o controle do ar disponibilizado, tanto em ambientes públicos, como privados.

A LEI Nº 13.589 exige que “Todos os edifícios de uso público e coletivo, que possuem ambientes de ar interior climatizado artificialmente, devem dispor de um Plano de Manutenção, Operação e Controle – PMOC dos respectivos sistemas de climatização, visando à eliminação ou minimização de riscos potenciais à saúde dos ocupantes”.

Aprovada em janeiro de 2018, essa norma prioriza eliminar o alto risco de contaminação do ar, presente no uso indevido de sistemas de climatização internos. Caso o ambiente fiscalizado não atinja os parâmetros exigidos, o responsável fica sujeito a multa de até R$ 200 mil, aplicada pelo Ministério da Saúde.

Quais sistemas de climatização exigem o PMOC?

O PMOC (Plano de Manutenção, Operação e Controle) é exigido em todos os sistemas que utilizam uma potência superior a 60.000 BTU para o funcionamento. Esse limite se aplica tanto para o uso de um só equipamento, como para a somatória de vários. Caso a carga térmica do local supere o valor estimado, o mesmo, automaticamente, estará sujeito à análise profissional.

Para desenvolver esse trabalho, leva-se em consideração as determinações da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), instauradas na resolução N°09, de 16 de janeiro de 2003, que determina o estudo de elementos, como a temperatura, a umidade, a velocidade, taxa de renovação e a pureza do ar, durante ensaio laboratorial.

Como é o processo de análise do ar?

Para medir os parâmetros necessários, a ANVISA dividiu o processo de análise do ar em 4 normas técnicas, que devem ser obrigatoriamente seguidas:

  • Norma técnica 001: visa monitorar e garantir o controle ambiental, fiscalizando possíveis ocupações, multiplicações e dispersões de microrganismos em ar ambiente interior;
  • Norma técnica 002: visa monitorar e controlar o processo de renovação do ar, realizado em ambientes climatizado;
  • Norma técnica 003: visa monitorar e controlar o processo de climatização de ar em ambientes climatizados;
  • Norma técnica 004: visa monitorar e controlar a presença de aerodispersóides totais em ambientes interiores climatizados.

Segundo a ANVISA, esses critérios foram elaborados para informar à população os riscos gerados pelo mal condicionamento do ar interior em ambientes artificialmente climatizados. Além disso, também busca atualizar e equipar, de forma adequada, os profissionais e laboratórios que atuam nesse segmento de análise.

Soluções Unniroyal

A Unniroyal está entre os 8 laboratórios, em todo o Brasil, acreditados em ensaio de ar. Fornecemos ao mercado o serviço de monitoramento da qualidade do ar interno, garantindo o bom funcionamento em sistemas de climatização e o bem-estar de quem ocupa o local.

Também atuamos para garantir que sua indústria, comércio ou escritório, esteja dentro dos parâmetros de qualidade exigidos pela ANVISA, evitando multas e outras consequências legais.

Especialistas no ramo, estamos à disposição para fazer uma avaliação completa do ar em seu ambiente, oferecendo sempre a melhor solução, praticidade e o menor custo-benefício.